Associação Cultural Humaitá

Agbegbe fun ijosin ti orisá ati Umbanda

Nao, definitivamente não! Deus nao fez a mulher da costela de Adão como foi escrito na Bíblia.

E a razão é bem simples, não precisando de nenhuma busca espiritual, teologica ou filosófica para achar a resposta: Deus não tem mau gosto!

Ora, seja Olorum, Zambi, Tupã, Senhor, Deus, ou qualquer outras dos vários nomes que Deus receba, o fato é que ele nunca tiraria de um homem, a parte que daria origem a Eva, a mulher.

Nao! Tenho para mim que nem o molde seria usado para desenhar a companheira feminina do homem. E as vezes, pela feiúra dos homens, parece que não copiou mesmo!

Bom, seja pelo desenho feio, pelas formas grotescas, está claro que o real motivo pelo qual Deus não tirou de Adão a parte que seria a mulher foi a essência perfeita que ele queria dar a ela! Ah simmmmmm, foi esta a razão! E não qualquer outra!

Porque ao terminar de desenhar, de projetar, pasmem, Olorum não conseguiu imaginar que o homem sairia tão errado assim! Ao ver no que se transformaram aqueles macacos, logo percebeu que deveria mudar o projeto radicalmente, e daí deve ter surgido então a mulher…

Para este novo projeto, reuniu os melhores desenhistas, com os melhores traços; mandou fosse escolhida as melhores cores, os melhores tons, os melhores pincéis! Os traços escolhidos um por um, por ele mesmo.

O Pai de Todos, desta vez, e sem pressa, pensou em tudo: como seria a mulher, o que ela deveria fazer, o quanto poderia suportar e o quanto se derramaria em lágrimas pelos outros humanos?!

Qual deveria ser a essência da mulher? Do que ela seria construída? Mais razão? Mais emoção? Mais inteligente? Mais sensíveis ao Mundo Espiritual?

Sim, e tudo deveria ser misturado! Assim ela seria perfeita!! Ela deveria ser a própria imagem de Deus! Então Deus resolveu tirar dele próprio a costela, e não de Adão…

Esta é a verdade, este é o segredo!

A todas as mulheres, especialmente aquelas que trabalham na Tenda de Xangô Sete Raios, Feliz dia Internacional da Mulher.

Sarava.

Jose Augusto da Cunha Meira

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.