Associação Cultural Humaitá

Agbegbe fun ijosin ti orisá ati Umbanda

Hoje é dia 03 de março de 2021 e estamos morrendo aos montes! Em todos os cantos desta Terra de Santa de Cruz, humanos dão entrada nos Hospitais, e não retornam mais para seus familiares e casas terrenas!

Não voltam mais! Sem despedidas, sem um último olhar, retornam para o mundo dos mortos! Sem qualquer preparo psicológico ou espiritual, saem do mundo dos vivos para retornar ao mundo dos mortos, ou dos defuntos, como já ouvi certa vez de um preto velho muito engraçado.

Afora as milhares de pessoas que morrem diariamente no Brasil por diversas causas, nos últimos meses – mas especialmente agora – outros milhares de humanos estão partindo por causa do coronavirus! Os números de 2020 são mais ou menos estes: morreram 1.296.000,00 pessoas!

Quantos destes tem condições morais de serem buscados e encaminhados para as cidades espirituais? Eu acredito que apenas uns 10%…ou seja…somente 129.000 sobem…mais de um milhão ficam na crosta espiritual!

E é aqui que quero chegar!

Sendo nós da Umbanda, sendo a Umbanda uma ordem de Jesus e do Caboclo das Sete Encruzilhadas, e trabalhando nós em sessões médiúnicas-umbandista toda quarta-feira, pergunto: nossa principal materia-prima não é o espírito? Não é também a relação dos encarnados com os desencarnados?

Então se estamos morrendo aos montes e a infecção do vírus leva a morte não deixando sequer a despedida do humano, não deveríamos caridosamente nos preocupar e auxiliar nossos irmãos que agora estão do lado de lá? Falo daqueles 1.000.000…

Porque nós, os vivos, que ficamos, e aqueles defuntos que tem condições morais de subir, ficamos todos bem! Sim, ficamos bem, porque lágrimas e saudades não judiam tanto quanto ver morrer seu corpo e não seu espírito, ver que se está do lado trocado, invisível, sem mais nada do material do lado material!

Chorar deste lado, não é nada perto do que se ver “morto”, longe da amada esposa, dos amor dos filhos e dos pais! Como seria leitor umbandista, se de repente morresse nosso corpo e não pudéssemos mais ver nossa esposa, marido e filhos? Nem pegar no maldito celular e WhatsApp…

Saindo da Estação, para onde vai esta população de 1.000.000 de espíritos? Por certo vão para onde suas energias combinam, de acordo com seus graus de caráter e moral! E não tem volta! Uma Estação de dor e sofrimento! Não tem para quem reclamar, todos devem embarcar e deixar para traz seus familiares.

Aqui nós que ficamos, temos para quem reclamar, para quem chorar e para quem pedir um abraço, um colo de mãe e de pai…lá não mais…

Então para estes que vão para o Vale das Sombras e da Morte, vamos desejar o melhor Axé da Umbanda, o melhor Axé dos Orixas, o que tem mais o Amor do próprio Pai, o AXÉ DE OXALÁ! É tão pouco para nós apenas rezar e desejar, e MUITO para eles (ouvi dezenas deles dizer para mim que a oração lhes acalmava a alma no exato momento da reza).

Porque foi o que Jesus afirmou durante toda a sua passagem na Terra: eu vim para salvar todos e não deixarei ninguém para traz! Eu sou a vida e a verdade!

Oxala é a vida! Vida em todos os lugares! Oxalá é o RE-nascimento dos caídos, dos perdidos, dos sofridos, dos esquecidos! Oxalá é o Amor de Vida dos pretos velhos…é o centurião romanos dos caboclos…é o grande guardião dos exus…a alma pura dos erês…Oxala é o guia dos demais Orixás.

Que em cada Estacao de Trem, nossos irmãos recebam em seus peitos a marca eterna da Cruz de Jesus, a guiá-los na hora certa de cada um…

Sarava a todos!

Jose Augusto da Cunha Meira.

2 comentários sobre “Um axé na Estação do Trem!

  1. Certo Pai Preto! O recém-morto, horas antes era nosso irmao-vivo…além disso, não ajudá-lo é ajudar o baixo astral, porque ele vai acabar trabalhando pra eles!

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.